Total de visualizações de página

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Serra:direitos humanos não podem ser subordinados à economia


Após encontro com o presidente da União Europeia, Manuel Durão Barroso, o candidato do PSDB à presidência, José Serra, disse ao Terra que o Brasil deve "aprofundar as relações de comércio e investimento com todos os países do mundo, independentemente do seu regime ou sistema político". No entanto, ressalvou, "as posições em relação aos direitos humanos não podem ficar subordinadas a interesses econômicos".

Entre os assuntos discutidos na reunião, estava a condenação da proliferação de armas nucleares e o regime político iraniano. O tucano tem condenado a diplomacia brasileira por estreitar relações com o Irã. Serra ainda destacou que "não há limite com nenhum país em matéria de negócios econômicos". "Econômicos", ressaltou.

A título de exemplo, o candidato desenha uma situação hipotética para explicar que defende a superioridade dos direitos humanos ante os interesses comerciais: "você não vota contra nós em matéria de direitos humanos e em troca importaremos mais de vocês. Esse tipo de troca, ao meu ver, não pode haver". "E, comigo na presidência, não haverá", garantiu. "O que não significa que não continuaremos a ter boas relações econômicas com o Irã, embora elas não tenham muito significado, diga-se de passagem".

Nesta quinta, Serra cumpriu agenda no Rio de Janeiro ao lado de seu vice, Indio da Costa (DEM). O tucano apresentou um tripé do que será sua política externa, caso eleito: em primeiro lugar ficaria o respeito à autodeterminação dos povos, seguido pelos direitos humanos e por uma política de comércio exterior mais agressiva.

Após a reunião com Durão Barroso, o tucano conversou com jornalistas e chamou o Irã de "região-problema", porque, segundo ele, "não ajuda o desenvolvimento da paz em escala mundial". Serra criticou a participação do Brasil nas negociações com o regime iraniano para avançar no desarmamento nuclear. "É uma participação do Brasil, uma intervenção, que não deu certo". disse. "O ideal é que não haja mais países ingressando na área das bombas atômicas de hidrogênio, porque isso constitui uma ameaça", acrescentou ao final da conversa com Durão Barroso.

Ainda durante o evento, Serra afirmou que "o Brasil avançou muito na presença política, mas precisa avançar na presença econômica. Gastamos muito tempo na aproximação com economias que não têm muito significado para o comércio brasileiro (...) Investimos um enorme esforço com significado político, mas econômico, nenhum", criticou o candidato.

Nenhum comentário: